O que considerar ao preparar um estudante para uma graduação no exterior?

Lisandra Matias – Jornalista
04/05/2020

Orientações sobre candidaturas, exames obrigatórios, métodos de ensino e opções de universidades precisam ser dadas de forma completa e com a antecedência necessária

No mundo globalizado, é cada vez maior o número de pessoas que optam por fazer uma graduação no exterior. No Brasil, principalmente nos colégios bilíngues, muitas vezes já existe o desejo do estudante e da própria família de que ele curse o ensino superior fora do país.

“Cabe aos colégios, orientadores e professores identificarem os estudantes que têm esse objetivo para prepará-los da melhor forma possível e com a antecedência necessária” , diz Raimundo Sousa, diretor da OK Student Brasil , empresa de consultoria para estudantes que querem ingressar numa universidade no Reino Unido.

O ideal é que essas orientações sejam dadas ainda durante o 2º ano do Ensino Médio . Isso porque em alguns países, como o próprio Reino Unido, quando o estudante inicia o 3º ano, ele já deve apresentar sua candidatura à universidade. “Se não fizer isso, ele corre o risco de, ao terminar o Ensino Médio, já estar fora da oportunidade de ingressar na universidade no ano seguinte. É um processo muito diferente do que ocorre no Brasil , onde é preciso concluir o ensino médio, prestar vestibular e só depois se candidatar”, explica o diretor.

Atenção a recomendação requerida

Outro ponto importante é atentar para a época de realização dos exames obrigatórios, como o IELTS (International English Language Testing System). Necessário para quem quer fazer uma universidade no Reino Unido, ele tem datas específicas de aplicação . Assim, se a pessoa deixar para se submeter ao teste no final do ano, por exemplo, tem a possibilidade de não conseguir realizá-lo e perder o processo de candidatura.

Para o diretor, os colégios devem ajudar, ainda, na elaboração da carta de referência dos professores , que os estudantes devem apresentar nas candidaturas, e na preparação do aluno em relação a saber como funciona uma graduação no exterior. “No Reino Unido, o método de ensino é diferente, e os alunos têm muito mais autonomia. Há um tutor disponível para dar suporte, mas ele não vai atrás do estudante. Então, é preciso ter responsabilidade e saber usar a liberdade de forma a conseguir os melhores resultados e passar com boas notas”.

Abrir o leque de possibilidades

Quanto aos colégios brasileiros que mantêm parcerias com algumas universidades estrangeiras, Sousa alerta que isso pode, de certa maneira, limitar as opções de escolha dos estudantes — só no Reino Unido são 131 universidades de excelência , presentes nos principais rankings nacionais e internacionais de educação superior, num universo de 700 instituições que ministram cursos de graduação e pós-graduação. “A escolha vai depender muito do curso e da carreira pretendida e do perfil do estudante.”

Para ele, uma orientação acadêmica que contemple todos esses aspectos é fundamental. “Fala-se muito em orientação vocacional, mas pouco em orientação acadêmica — em quais universidades estão os melhores cursos de determinada área. Às vezes, a instituição é Top 10, mas, para aquela área do conhecimento específica, outra universidade pode ser melhor.”


Últimas publicações
Consultoria internacional aposta no mercado brasileiro
Estudando em Cambridge
Os talentos de Oxford

Está gostando do conteúdo?

  • Então se inscreva em nossa 
  • newsletter e fique por dentro 
  • de todas as novidades!
×

Powered by WhatsApp Chat

× How can I help you?