Brexit não afetará a vida de estudantes brasileiros no Reino Unido

Lisandra Matias – Jornalista

28/07/2020

Saída do país da União Europeia e as mudanças decorrentes dessa situação dizem respeito exclusivamente ao Reino Unido e ao bloco europeu

O Brexit, a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), aconteceu formalmente em 31 de janeiro deste ano, e o período de transição segue até o final de 2020. Como país-membro da UE, o Reino Unido seguia determinadas regras, que incluíam a livre circulação de mercadorias, capitais, serviços e cidadãos, o que está sendo modificado agora.

Muitos estudantes brasileiros que estudam ou planejam estudar no país se perguntam como essa decisão pode afetá-los. Raimundo Sousa, diretor internacional da OK Student, consultoria especializada em cursos de graduação e pós-graduação no Reino Unido, explica que o Brexit não vai impactar em nada a vida ou os planos dos brasileiros em relação aos estudos no país. “As alterações que vão ocorrer dizem respeito única e exclusivamente ao Reino Unido e à Comunidade Europeia. Nada se altera para as nações ou pessoas que não fazem parte do bloco europeu”.

Ele cita três exemplos de mudanças que vão atingir os europeus, mas não os outros estudantes internacionais, como é o caso dos brasileiros. Uma delas é a questão do visto. Europeus não precisavam de visto para entrar ou estudar no país, mas os estudantes internacionais já tinham essa necessidade. Em relação ao valor das universidades, os europeus também eram beneficiados por pagarem o mesmo valor cobrado dos estudantes britânicos, o que deve se estender apenas para aqueles que ingressarem até janeiro de 2021. Os brasileiros, no entanto, não contavam com essa vantagem. O mesmo acontece com o financiamento estudantil (student finance) oferecido pelo governo inglês. Os europeus tinham as mesmas condições que os estudantes britânicos, mas isso também não se aplicava aos estudantes internacionais.

Sousa lembra, no entanto, de uma mudança que ocorreu em pleno Brexit, que acabou por beneficiar os brasileiros. Desde setembro de 2019, os estudantes internacionais, ao terminarem o seu curso de graduação ou de pós-graduação, podem permanecer por até dois anos trabalhando no país, mesmo sem ter o visto de trabalho garantido. Anteriormente, para ter esse direito, eles precisavam provar que haviam conseguido um trabalho. Agora, passam a ter permissão automática para procurar trabalho e ficar por mais 24 meses no país.

“Essa é, de fato, uma grande vantagem para os brasileiros. Já em relação ao Brexit, não há com o que se preocupar, pois não vai alterar absolutamente nada, nem facilitar e nem dificultar a vida do estudante internacional”, ressalta o diretor.


Últimas publicações
Os talentos de Oxford
Quanto custa uma graduação no Reino Unido?
De malas prontas para o seu futuro profissional

Está gostando do conteúdo?

  • Então se inscreva em nossa 
  • newsletter e fique por dentro 
  • de todas as novidades!