Language |

Cursos diferenciados no Reino Unido

Conheça a história de Giovanna Cruz Ponci, que, com a consultoria da OK Student, encontrou o curso de seus sonhos

Na adolescência, Giovanna Cruz Ponci tinha um olhar atento para filmes de terror. Por mais que tivesse medo, a maquiagem aplicada nos personagens aguçava sua curiosidade. Foi assim que ela decidiu que queria ser maquiadora profissional para produções artísticas.

Depois de formada no ensino médio, começou a pesquisar as universidades que poderiam atender às suas expectativas. “Quando decidi buscar formação universitária nesta área, nem mesmo meus pais sabiam que isso poderia ser uma profissão. Não há muitas opções de cursos aprofundados nesta área”, revela Giovanna.

Durante as pesquisas, Giovanna identificou um curso do jeito que queria na University of Bolton, mas tinha dúvidas sobre como conseguir uma vaga. Foi quando uma colega, que estava indo estudar na Inglaterra por intermédio da OK Student Portugal, indicou a consultoria para que ela pudesse prosseguir com seu sonho e conhecer melhor a instituição que queria estudar. Graças aos serviços prestados pela OK Student, ela recebeu consultoria para entender questões como custos com moradia, transporte, alimentação, além de informações importantes que facilitaram sua decisão.

Hoje, ela é aluna do curso Special Makeup Effects for Film and TV na University of Bolton, mora a poucos quilômetros de Londres e está realizada com suas escolhas. Londres, inclusive, conta com grandes produtoras que absorvem profissionais de maquiagem especiais. Mesmo assim, os sonhos de Giovanna são ainda maiores: ela mira em Hollywood e quer fazer parte de um mercado bilionário, que cresce cada vez mais com produções dos mais diversos canais de streaming e estúdios renomados. E seus sonhos não param por aí… Ganhar o Oscar está entre suas metas.

Se, assim como Giovanna, você quer fazer algum curso diferenciado e sanar dúvidas sobre ele, entre em contato com a OK Student que lhe ajudará em todo o processo para que você realize seu sonho de estudar em uma universidade no Reino Unido.

OK Student completa um ano de Brasil como referência para estudantes que pretendem cursar graduação ou pós no Reino Unido

O crescente número de alunos brasileiros com interesse em estudar na Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte foi o que motivou a OK Student a apostar no Brasil. A empresa, que faz parte do Vermilion Group e já atua na Europa, África, Ásia e América, viu o país como grande potencial e há um ano contribui para que estudantes brasileiros tenham mais facilidades na hora de se graduar ou pós-graduar no Reino Unido. “Iniciamos as atividades no início de 2020 e trouxemos para o mercado brasileiro um formato diferenciado de consultoria acadêmica com um time de profissionais que foca nos anseios dos alunos, identifica cursos e universidades e orienta os estudantes em outros processos, como a certificação de proficiência, escolha de alojamento e documentação necessária” explica Valéria Mateus, diretora executiva da OK Student no Brasil.

Eventos online – Para consolidar a marca no Brasil, a consultoria está realizando uma série de eventos virtuais, o que mostra a capacidade da empresa em passar pelos desafios impostos pela pandemia.

A OK Student está preparada para lhe auxiliar em todas as etapas para que você realize seu sonho de estudar em uma das melhores universidades do mundo. Conte com a gente! Clique aqui e fale agora mesmo com um de nossos consultores.

Cambridge está entre as mais disputadas universidades do Reino Unido e oferece cursos diferenciados e de alta procura

Fundada em 1209, a Universidade de Cambridge é a segunda mais antiga do mundo e, atualmente, conta com mais de 20 mil alunos, dentre eles, 35% estrangeiros.

A Universidade oferece cursos tradicionais, como Economia, Filosofia, História, Ciências e Direito, além de Medicina e Veterinária, mas também conta com graduações diferenciadas, que apresentaremos para você agora.

Anglo-saxão, nórdico e celta – Para os apaixonados por história, literatura e línguas medievais, o curso abrange toda a cultura, história, literatura e línguas dos povos da Grã-Bretanha, Irlanda e do mundo escandinavo no início da Idade Média.

Estudos da Ásia e do Oriente Médio – Neste curso, você poderá estudar as culturas por meio de sua linguagem e desenvolver habilidades práticas e conhecimentos específicos que ajudarão a compreender nosso mundo atual. Além disso, você também pode fazer um curso de línguas, que pode ser árabe, hebraico, persa com um idioma europeu moderno.

Línguas modernas e medievais – O curso de Línguas Modernas e Medievais (MML) é interdisciplinar e viaja entre muitos períodos e países, desde a arte renascentista italiana ao cinema brasileiro contemporâneo, passando pelos contos populares alemães até o realismo socialista na Rússia de Stalin.

Quer estudar em Cambridge? Então clique aqui e receba o suporte de um de nossos consultores que vão detalhar todos os passos para se chegar em Cambridge ou em algumas das melhores Universidade do Reino Unido.

Conheça as personalidades que já passaram pela mais antiga universidade de língua inglesa

Você sabe o que Barack Obama, Stephen Hawking, Boris Johnson e Malala Yousafzai têm em comum? Apesar de atuarem em áreas e países diversos, todos estudaram e se formaram em Oxford, a mais antiga universidade inglesa.

Fundada em 1.090, a Universidade de Oxford figura entre uma das melhores universidades do mundo e conta com 24 mil alunos (43% deles vindos de outros países) distribuídos em 250 cursos de graduação.

Reconhecida mundialmente, a universidade é destaque em pesquisas científicas e, recentemente, foi palco do desenvolvimento de uma das vacinas contra o coronavírus. Pedro Folegatti, médico brasileiro, doutorado em Oxford, foi um dos líderes das pesquisas de testes da vacina e ganhou notoriedade por fazer parte da equipe.

Se você pretende pleitear uma vaga em Oxford, a OK Student pode lhe ajudar em todo o processo, desde a escolha dos cursos, até a confecção da carta de motivação, certificado de proficiência e comprovação de documentos e históricos.

Clique aqui e agende uma data com um dos nossos consultores.

Se você acha que o valor da Libra é um impeditivo para estudar no Reino Unido, vai se surpreender com o custo final dos investimentos em sua formação e saber que, sim, é possível

Todos os anos, Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte recebem cerca de 500 mil estudantes de 190 países atraídos pela cultura e diversidade de cursos que as universidades britânicas disponibilizam.

Estudar no Reino Unido tem muitas vantagens: acesso a mais de 130 melhores universidades do ranking e tempo menor para conclusão do curso, já que as graduações costumam ser de três anos e o mestrado de um ano. “Isso quer dizer que o aluno sai com graduação e pós no período de uma graduação no Brasil, o que permite uma economia significativa de tempo e dinheiro”, explica Valéria Mateus, diretora executiva da OK Student.

Com um investimento anual a partir de 18 mil libras, o estudante já pode se candidatar em uma das universidades do Reino Unido e também sua acomodação pelo período em que estiver estudando. Além disso, os estudantes internacionais têm permissão para trabalhar até 20 horas semanais e contam com acesso ao sistema de saúde público, o que garante ainda mais economia.

OK Student faz toda a assessoria necessária para que você possa encontrar o melhor curso, a melhor universidade e o melhor plano de estudos para você.

Clique aqui e fale com um dos nossos consultores agora mesmo.

Veja quais são os passos fundamentais para conseguir realizar sua graduação ou pós-graduação na Inglaterra

O sonho de estudar no Reino Unido fica cada vez mais perto com a consultoria da OK Student, mas, para que tudo saia corretamente, é necessário seguir todos os passos a seguir, que facilitarão todo o processo.

O ano letivo na Europa se inicia em setembro, mas é importante que você dê o passo inicial com antecedência para que possa atender em tempo todos os pré-requisitos para sua admissão:

  1. Depois de definir seu curso e verificar as universidades que o disponibilizam, é essencial preparar o Personal Statement (carta de motivação), que a OK Student orienta e revisa para que esteja nos padrões adotados pelas universidades.
  2. Para enviar sua candidatura às universidades escolhidas, é necessário já estar com todos os documentos obrigatórios em mãos, como passaporte válido, certificados de conclusão do ensino médio ou de graduação, certificado do IELTS e as cartas de recomendação.
  3. Após o envio, basta aguardar o retorno das universidades com a sua Unconditional Offer.
  4. Com a universidade escolhida, agora você também já pode se candidatar ao alojamento, tirar seu visto de estudante e se preparar para sua nova realidade: estudar no Reino Unido.

A hora é agora. Quer estudar nas universidades do Reino Unido? Então clique aqui e fale com um de nossos consultores.

Para encurtar a comunicação com estudantes brasileiros, a OK Student cria projeto online para divulgar oportunidades de estudo no Reino Unido.

Reunir estudantes do Norte ao Sul do país e transmitir informações relevantes sobre o passo a passo de como estudar no Reino Unido estão entre as principais razões para a OK Student criar o Projeto OK Talk To Students que, mensalmente, contará com palestras online destinadas para professores, pais e estudantes do ensino médio, com o intuito de abordar temas importantes sobre morar e estudar em universidades do Reino Unido.

Mitos e Verdades sobre estudar no UK: sistema de ensino, investimento e cultura. Esse é o tema da primeira palestra, que acontecerá no dia 3 de fevereiro, e será ministrada pela psicopedagoga, Tatiana Castro, e pela psicóloga, Mariana Calbucci, que trarão informações importantes sobre o sistema de educação britânico e aspectos culturais, esclarecendo as principais dúvidas e curiosidades dos estudantes brasileiros.

O encontro será realizado virtualmente às 17h. Para participar e ter acesso a todo o conteúdo, clique aqui e faça sua inscrição agora mesmo.

Aproveite esta oportunidade para começar a traçar os planos de sua graduação no Reino Unido e fique ainda mais próximo dos seus objetivos.

Conheça os ganhos de estudar no Reino Unido, a partir da experiência de um brasileiro que estudou na Inglaterra e na Escócia e hoje trabalha na Holanda

Fazer uma pós-graduação no Reino Unido traz inúmeras vantagens para a formação do futuro profissional. Além da experiência de vivenciar uma outra cultura e da excelência das universidades do país, o estudante tem ganhos também em relação ao ensino, que possui um caráter prático e alinhado aos desafios do mundo atual.

O brasileiro Pedro Godoy, de 26 anos, fez graduação em administração (business management) na Middlesex University, em Londres, na Inglaterra. Em 2016, após concluir o curso — ele se graduou com a melhor nota da turma — ele partiu para um mestrado em negócios internacionais na University of St Andrews, na cidade de mesmo nome, na Escócia.

“Escolhi essa área porque sempre quis trabalhar em países diferentes e conhecer outras culturas, não apenas como turista, mas como profissional. Quanto à universidade — a terceira mais antiga do mundo anglofônico, fundada no século XV –, eu a selecionei pela reputação e tradição em formar pessoas com papéis profissionais relevantes”.

Também pesou nessa decisão, segundo ele, a boa colocação da instituição nos rankings universitários internacionais e o fato de ser forte na área de ciências humanas. “Além disso, em St Andrews, metade da população é formada por estudantes. Como eu tinha vindo de Londres, que é uma metrópole, eu queria ter a experiência de estudar em uma cidade menor e ter essa sensação de proximidade e de comunidade com as pessoas.”

Entre as vantagens de cursar uma pós no Reino Unido, ele destaca a convivência com os alunos internacionais, vindos de diversos países — pessoas de nacionalidades diferentes debatendo ideias com pontos de vista diversos. “Ter essa variedade de pessoas intelectualmente engajadas na sua vizinhança é uma oportunidade sensacional e contribui muito para o aprendizado. Não há outra maneira de ganhar essa experiência multicultural e essa bagagem de conhecimentos.

Pedro também chama a atenção para o caráter prático do ensino. “Claro que estudamos autores, conceitos e teorias que embasaram a história e a ciência, mas uma parte significativa da formação é resolvendo problemas e pensando em soluções para questões atuais, para que os alunos saiam da universidade prontos para atuar no mercado”.

Outro ponto importante, de acordo com ele, é que os conteúdos ensinados também são de grande relevância. “Os alunos não vão entrar na sala de aula para aprender o que está no Google. Eles vão discutir, por exemplo, quais são as empresas disruptivas atualmente, quais estratégias de mercado elas usam e quais são as tendências atuais.”

Ele também conta que os professores das universidades, além da produção acadêmica, costumam ter uma vasta rede de contatos e relação com o mundo profissional, o que favorece a indicação de alunos para vagas de trabalho.

Assim que terminou o mestrado, em agosto de 2017, Pedro foi para Roterdã, na Holanda, onde trabalhou numa empresa multinacional de bens de consumo. Em 2018, mudou-se para Amsterdã, onde atua como gerente de contas em uma empresa de logística internacional que trabalha com exportação e importação. “Ter feito o mestrado permitiu que eu tivesse um grande leque de escolhas. Eu poderia ter ido para vários lugares e escolhi Amsterdã. Conseguir estar onde eu queria é algo incrível, e eu devo muito disso ao curso que fiz.”

Há vários aspectos que o estudante deve considerar nesse processo, como o leque de graduações oferecidas e as possibilidades de diferentes ênfases e abordagens; consultor da OK Student dá algumas orientações nesse sentido

No momento da escolha do curso e da universidade no exterior, é muito importante se informar sobre as opções existentes, analisá-las e compará-las. No Reino Unido, por exemplo, há mais de 40 mil cursos de graduação.

“Para além das formações clássicas em negócios, marketing, direito, ciências biomédicas e engenharia, há cursos que o estudante pode nem fazer ideia que existem. Daí a necessidade de conhecer para poder tomar essa decisão com consciência e segurança”, diz João Almeida, 27 anos, consultor da OK Student, em Lisboa, Portugal. Ele mesmo passou pela experiência de estudar na Inglaterra, onde cursou Gestão Turística Internacional na Middlesex University, em Londres, de setembro de 2013 a maio de 2016.

Para mostrar a relevância dessa pesquisa aprofundada, ele conta o caso de uma estudante que gostava da área de direitos humanos, sustentabilidade e de ajudar as pessoas. Ela havia pensado em Relações Internacionais, mas acabou optando por Disaster Management & Sustainable Practices depois de saber que havia essa opção. “Esse curso só é oferecido em uma universidade do Reino Unido. Sozinha e sem a ajuda de uma consultoria, possivelmente ela não chegaria nesse curso. “Às vezes, por não conhecerem ou não pesquisarem, os estudantes deixam de se candidatar a um curso que poderia ir ao encontro do que ele realmente quer.”

Como exemplos de cursos diferentes oferecidos no país, ele cita Surf Science & Technology, Golf Management e Contemporary Circus and Physical Performance. Também há os chamados cursos do futuro, com grande potencial de empregabilidade, entre eles Ethical Hacking, Artificial Intelligence, Data Analysis, Environmental Engineering, Outdoor Leadership e o próprio Disaster Management & Sustainable Practices.

O consultor explica que, mesmo em um curso mais tradicional, como Gestão Turística Internacional, o aluno pode escolher uma abordagem mais geral voltada ao turismo ou uma ênfase mais específica, como marketing, recursos humanos, eventos, hospitalidade, aviação ou sustentabilidade. Os cursos também podem variar de universidade para universidade. Não só em relação à ênfase, mas em termos de método de avaliação, plano curricular, acreditações e saídas profissionais.

Outro ponto importante é se o aluno busca uma graduação com abordagem mais teórica ou prática. Um mesmo curso, dependendo da instituição, pode contemplar, em relação à avaliação, apresentações, trabalhos em grupo, relatórios, questionários e entrevistas e projetos, enquanto outro ser à base de exames. O mesmo acontece em relação a estágio durante a graduação. Algumas universidades oferecem a possibilidade do aluno ter essa experiência em outro país e depois retornar e finalizar a graduação.

No processo de escolha, o estudante também deve atentar para as diferenças de preços. Dependendo da universidade e do curso, uma licenciatura pode variar de 11 a 20 mil libras por ano. Ao final de um período de três anos, que é a duração do curso, isso pode resultar numa economia significativa. “Não é por ser mais caro que o curso vai ser melhor ou pior, pois isso está relacionado ao tipo de estudante que a universidade procura angariar”, afirma João.

Para o consultor, todos esses fatores devem ser pesados no processo de escolha de um curso e da universidade. “O foco das universidades é a empregabilidade, e os alunos querem terminar o seu curso e conseguir um bom trabalho na área que gostam. Para isso é fundamental escolher o curso e a universidade certa”.

Instituição fundada em 1826, que tem feito importantes estudos sobre a Covid-19, reúne 29 ganhadores de Prêmios Nobel e possui mais da metade de seus alunos vindos de outros países

Diante da pandemia do novo coronavírus, universidades de todo o mundo têm direcionado suas pesquisas para compreender melhor os impactos relacionados à Covid-19 e conter o seu avanço. Nesse cenário, a University College London (UCL) tem contribuído com estudos para melhorar o diagnóstico e ajudar no desenvolvimento de uma vacina para a doença e também na divulgação de informações à população e às autoridades de saúde do Reino Unido e também do mundo.

Entre os principais estudos realizados pela UCL estão o desenvolvimento de um novo protocolo para o sequenciamento genético do novo coronavírus (em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz), a sua relação com possíveis danos cerebrais e uma das pesquisas (Virus Watch) mais abrangentes sobre transmissão e imunidade da Covid-19, realizada com 42 mil voluntários no Reino Unido.

A forte atuação da UCL no combate à Covid-19 fez com que a instituição ganhasse destaque na mídia. Mas, seus atributos vão além disso. Fundada em 1826, UCL é a universidade mais antiga da capital inglesa e pioneira em várias frentes. Foi a primeira na Inglaterra a ter mulheres na educação universitária, a receber estudantes de qualquer religião ou origem social e a ensinar inglês, alemão, química e engenharia.

Atualmente, suas 11 faculdades reúnem mais 43 mil alunos de cursos de graduação e de pós-graduação, em áreas diversas, que vão de engenharia, medicina e ciências ambientais e exatas, a ciências sociais aplicadas, artes e humanidades. Com 29 ganhadores de Prêmios Nobel e presente nas primeiras colocações dos principais rankings internacionais de educação e ciência, seu ensino e pesquisa são reconhecidos mundialmente pela excelência e impacto global. Entre os principais temas de estudo e ações estão neurociência e primeira infância, medidas de combate à fome, descobertas sobre o buraco negro e terapias genéticas.

A internacionalização é outra forte marca da UCL, que possui parcerias com instituições de todo o planeta. Mais da metade de seus alunos são estudantes internacionais, o corpo docente reúne professores de diferentes nacionalidades.

A UCL faz parte de uma federação de cerca de 20 instituições de ensino superior, reunidas sob o nome da University of London. Também integra o chamado Golden Triangle das universidades britânicas, que designa as mais prestigiadas instituições educacionais de Londres, Oxford e Cambridge, que inclui também Imperial College London, King’s College e London School of Economics and Political Science.